Espuma é uma alternativa para o tratamento de varizes - Salève

Notícias e Dicas

Espuma é uma alternativa para o tratamento de varizes

Espuma é uma alternativa para o tratamento de varizes

A trombose venosa profunda, uma das doenças tratadas pela angiologia, é causada pela formação de coágulo sanguíneo em uma veia (geralmente das pernas) e acomete mais frequentemente pessoas portadoras de certas condições predisponentes, como o uso de anticoncepcionais ou tratamento hormonal, gravidez, viagens prolongadas, presença de varizes, pacientes com insuficiência cardíaca, tumores malignos, obesidade ou a história prévia de trombose venosa e por pacientes que ficam muito tempo deitado, por causa de uma cirurgia.

Segundo o médico Víctor Casimiro D’Incao Sanchez, da Clínica Salève as pessoas com algum tipo de câncer também podem vir a apresentar o problema. “Em todos os casos, o maior risco decorrente da trombose é a embolia pulmonar e a sindrome pós-trombótica”, afirma ele. A trombose, segundo ele, pode surgir de maneira repentina, mas não é silenciosa, pelo contrário, bastante sintomática quando já instalada, mas que exige a preocupação do médico em afastar os fatores de risco, realizando a sua prevenção quando o paciente estiver exposto a um deles. “Ela também pode se manifestar com dores fortes na perna e inchaço.”

O médico diz que a trombose pode ser prevenida, principalmente em pessoas que passarão por uma cirurgia de grande porte, desde que ela não apresente problemas no dia a dia. Uma avaliação prévia pode ajudar na orientação de algumas atitudes que podem ser tomadas para a prevenção do problema, orienta ele.

Segundo o médico, as varizes dos membros inferiores acometem muito mais comumente o sistema superficial de drenagem do sangue, por isso são aparentes e causam prejuízo estético e funcional aos portadores. Já a trombose venosa é mais preocupante no sistema profundo, porem pode se iniciar no superficial, uma vez que há uma conexão entre eles.

Sanchez comenta que hoje em dia o médico avalia cada paciente com insuficiência venosa antes de proceder ao tratamento das varizes. “Sempre vou me valer do exame físico, apalpando a perna, observando os tipos de vasos o quanto são superficiais ou não. Cada caso é um caso, muitas vezes pode-se optar pelo tratamento cirúrgico convencional, a retirada das varizes ou da veia safena dilatada, ou usar técnicas de termoablação como radiofrequência ou laser, ou optar pela espuma para tratar as veias doentes superficiais. A análise do exame clínico e do ultrassom Doppler é que vão definir o tratamento mais conveniente.”

De uns tempos para cá, tem-se falado muito da espuma como tratamento das varizes e vasinhos. É uma técnica que merece ser discutida com seu cirurgião vascular, conforme adverte o cirurgião da Salève.

Segundo publicações especializadas, a espuma de polidocanol foi, no início estudada como anestésico, porém demonstrou-se mais eficaz em fechar veias do que para anestesiar. Mas esse efeito anestésico fraco traz o benefício de ser uma substância praticamente indolor ao ser injetada. O polidocanol é um detergente que quando agitado forma espuma, e, ao utilizar a técnica de Tessari para formar espuma, essa espuma torna-se densa (método da espuma densa), de modo que ocupa todo o espaço do vaso. Ao preencher o vaso, a espuma de polidocanol causa destruição do endotélio levando a trombose química localizada. Essa trombose química pode evoluir com a recanalização ou com a fibrose do vaso, que é o resultado desejado. Ao fechar o vaso, fecha-se as varizes.

A grande vantagem desse tratamento é que ele é indolor e relativamente tranquilo, apresentando poucos riscos para o paciente, relata Sanchez. “A espuma quando você faz sua injeção não causa dor. É uma alternativa bastante interessante para auxiliar na cicatrizas de feridas e evitar sangramento de varizes, bem como ser uma alternativa ao paciente que não deseja ser submetido a um procedimento cirúrgico mais invasivo.” O médico não a recomenda para os casos estéticos porque pode causar manchas. Nestes casos, temos outras opções para não correr o risco de não atender aos anseios do paciente.

Deixe um Comentário

Categorias